14.2.18

CLIMATEMPO


Faça chuva ou faça sol, o Climatempo está presente no cotidiano de milhões de brasileiros. Utilizando tecnologia de ponta, equipe técnica qualificada e profunda experiência em estatística e análise de dados, a empresa é capaz de oferecer uma previsão do tempo altamente acurada e a melhor prestação de serviço meteorológico do mercado brasileiro, com total independência. 

A história 
Tudo começou na década de 1980 com a chegada a cidade de São Paulo dos meteorologistas Carlos Magno do Nascimento e Ana Lúcia Frony (imagem abaixo). O casal trocou as praias cariocas pelo trabalho no Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), ligado ao Ministério da Agricultura. Depois de um tempo trabalhando no instituto, eles perceberam que aqui havia enorme demanda por esse tipo de informação e os órgãos públicos não davam conta. E começaram a pensar em montar um negócio próprio. Isto aconteceu no mês de setembro de 1988, quando com um capital de aproximadamente US$ 10 mil, emprestados de familiares, o casal resolveu criar uma pequena consultoria na garagem do sobrado onde moravam, no bairro da Aclimação, em São Paulo. Era o embrião do Climatempo. O primeiro cliente da empresa foi a Nestlé, que precisava de uma fonte segura para previsão de geada no parque cafeeiro do Brasil. Depois vieram a Rádio Eldorado AM/FM de São Paulo e o jornal O Estado de S. Paulo. Da ideia inicial de fornecer boletins informativos à imprensa e aos agricultores, rapidamente eles passaram a atuar como “garotos do tempo” da Rádio Eldorado e a prestar serviços personalizados para os mais variados tipos de indústria.


Nos anos seguintes teve como marcas registradas o pioneirismo, a liderança e a inovação. E começou a expandir seus serviços, que se estenderam à internet, com trabalhos realizados para o UOL, IG, entre outros portais. Foi a primeira a oferecer boletins informativos para meios de comunicação e análises customizadas para diversos setores da indústria. Além disso, em 1999, tornou-se também pioneira no segmento ao criar seu próprio canal, a TV Climatempo, único canal brasileiro de meteorologia em rede nacional que oferece informações meteorológicas confiáveis e pontuais, 24 horas por dia, 7 dias na semana. O canal atinge um grande público no Brasil com uma programação de prestação de serviço e de conteúdo socioeducativo. Durante todo o dia a programação apresenta conteúdos sobre as condições climáticas, previsão de temperaturas, notícias sobre o clima no Brasil e no mundo, além de alertas meteorológicos. O canal também apresenta uma programação socioeducativa com diversos conteúdos sobre turismo, meio ambiente, sustentabilidade, agricultura, lazer, moda e cultura.


Com a ampliação cada vez mais rápida do universo digital, o portal Climatempo, nasceu em 2000, com informações precisas de previsões climáticas e boletins de todas as regiões do país, além de imagens de satélites em tempo real. As análises das previsões também passaram a ser feitas para períodos de tempo cada vez maiores, o que auxiliou indústrias, agricultores e órgãos governamentais na tomada de decisões com mais segurança em áreas que dependiam das condições climáticas. Ainda em 2000, a empresa aproveitou o boom da internet para lançar um portal dedicado unicamente ao agronegócio (AgroClima), que com notícias diárias rapidamente se tornou referência no setor. No início de 2006 foi criado o Grupo Climatempo, uma holding formada pela união do Climatempo Meteorologia (consultoria), a TV Climatempo, a Climatempo Produções, a Agência Climatempo e a Climanet (serviços de tecnologia e informática que incluem os portais e os produtos para celulares). Em 2010, para que milhões de brasileiros tivessem a previsão climática na palma da mão, a empresa lançou seu primeiro aplicativo para iOs e Android. No ano seguinte, introduziu o Sistema de Monitoramento e Alerta Climático (SMAC) para o mercado da construção civil. O produto emite alertas em tempo real de tempestades, ventanias, granizo ou ocorrência de raios.


O Climatempo sempre à frente do seu tempo investe em ideias de projetos de pesquisa científica. Por isso, criou um grupo de Pesquisa e Desenvolvimento para criar técnicas de melhoramento para prever o tempo. Quando a telefonia engatinhava no país, criou o serviço inovador de previsão do tempo por telefone. Na época em que internet e TV por assinatura ainda eram um item de luxo para muitos, lançou o primeiro portal sobre meteorologia e também o pioneiro canal de meteorologia 100% nacional. De olho na tecnologia foram criados aplicativos para todos os sistemas operacionais móveis, sem contar a interação com as redes sociais mais populares do país. A inovação também acompanha a evolução dos serviços de consultoria meteorológica e dos canais segmentados do Climatempo. Por exemplo, no portal Climakids (criado em 2012 através de uma parceria com a Maurício de Sousa Produções), as crianças aprendem sobre previsão do tempo de maneira divertida e didática. Já o Tempo de Moda informa às mulheres não apenas sobre o clima, mas também qual a melhor combinação de roupa nas principais capitais do país. Para quem gosta de atividade esportiva ao ar livre conta com o canal exclusivo sobre intensidade e direção ventos, além de informações sobre subida de maré, altura das ondas e qualidade do ar. O portal Clima de Viagem (lançado em 2015) oferece conteúdos que envolvem tempo, clima e informações turísticas das principais cidades do Brasil e do mundo, além de dicas de viagem e passeios.


Seus mais recentes produtos, lançados em 2017, foram o Agroclima PRO (uma solução focada no mercado de agricultura e pecuária, que por meio da análise de modelos numéricos e meteorologia de precisão, oferece previsões de curto, médio e longo prazo) e o AGROtalk (evento agrícola pioneiro, online e gratuito sobre clima e produtividade no campo, que oferece informações para aperfeiçoar o planejamento da safra e a operação do dia a dia no campo com a ajuda do conhecimento meteorológico e de tecnologias). O Grupo Climatempo trabalha para um perfil variado de clientes, que vai da empresa de sorvete que deseja saber quando fará calor para aumentar o estoque à produtora de cinema que necessita marcar uma gravação durante um dia ensolarado. E de olho nesses vários públicos, a empresa tem criado produtos diferenciados, como previsão sob encomenda para noivos que programam a festa de casamento ao ar livre e até um programa de meteorologia na internet, com linguagem mais jovem, apresentado por três garotas do tempo.


Os avanços tecnológicos também fazem parte da cultura do Grupo Climatempo. Com constantes investimentos na área e em equipamentos modernos de última geração para a produção de conteúdo meteorológico, atua fortemente na convergência de mídias, fornecendo previsões em qualquer lugar e a qualquer hora, seja por meio de texto, internet, TV, celular e podcasts. Agilidade, precisão e alta tecnologia, além de profissionais com muitos anos de experiência no mercado são alguns dos fatores decisivos para o sucesso e pioneirismo do Grupo Climatempo.


A consultoria 
Utilizando a meteorologia como ferramenta estratégica e fundamental na gestão de riscos, a CLIMATEMPO CONSULTORIA realiza previsões e análises customizadas conforme a necessidade de cada cliente: Monitoramento 24 horas (oferece o acompanhamento das variações meteorológicas por meio da análise de radares e satélites, estações meteorológicas, aeroportos, além de equipamentos que permitem alertas de temporais, queda de granizo, descargas elétricas e rajadas de vento), Previsão de tempo (fornece, diariamente, as condições meteorológicas esperadas para os próximos 15 dias), Boletins náuticos (serviço específico de previsão para a região litorânea, que informa a previsão da altura e orientação das ondas, direção e intensidade do vento e a previsão de tempo para os próximos dias), Weather index (oferece uma projeção de consumo baseado em parâmetros de correlação com as variáveis do clima, sendo possível compreender de forma detalhada o impacto das condições do tempo e do clima na lucratividade das empresas, possibilitando tomadas de decisões estratégicas na produção e no marketing), Monitoramento de descargas elétricas (serviço que acompanha, por meio da análise de informações de radares, satélites e de uma rede própria de sensores, e fornece, com antecedência, informações para que uma empresa possa se proteger das descargas elétricas), Previsão climática (análise da tendência do clima com até 12 meses de antecedência), Relatórios e laudos meteorológicos (documento com valor legal que atesta as condições do tempo para uma determinada data e local) e Boletim de Safras (dispõe de uma previsão de tempo esperada para os próximos 15 dias e climática para um ano. Com este boletim, é possível entender o impacto do tempo e do clima no desenvolvimento de plantações e ter um acompanhamento das safras nas principais áreas produtoras do Brasil e do mundo – monitorando aproximadamente 90% da produção agrícola do mundo).


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo de sua história. A primeira mudança aconteceu em 2007, quando seu logotipo passou por uma reformulação e modernização de imagem, ganhando o icônico slogan: O céu fala. A gente entende. Mais recentemente o logotipo adotou um tom de azul mais claro.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: Setembro de 1988 
● Fundador: Carlos Magno do Nascimento e Ana Lúcia Frony 
● Sede mundial: São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Climatempo Assessoria E Consultoria Meteorológicas Ltda. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Carlos Magno do Nascimento 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: Não (presente somente no Brasil) 
● Funcionários: 150 
● Segmento: Meteorologia 
● Principais produtos: Canal de TV, portal e aplicativo com previsão do tempo 
● Concorrentes diretos: The Weather Channel, Somar e TempoAgora 
● Slogan: O céu fala. A gente entende. 
● Website: www.climatempo.com.br 

A marca no Brasil 
Atualmente o Climatempo, maior empresa privada de previsão do tempo e análises meteorológicas da América Latina, oferece seus serviços em todo o Brasil através da TV Climatempo, do portal de internet (que recebe uma média de 2 milhões de visitantes únicos por dia) e aplicativos (com mais de 2.5 milhões de downloads). A empresa oferece ainda análises customizadas para os meios de comunicação e mais de 22 segmentos da economia brasileira, como por exemplo, agricultura, moda, varejo, energia elétrica, construção civil, entre outros mercados que investem em consultoria meteorológica para tomada de decisão. A empresa conta com mais de 150 profissionais, das áreas de tecnologia da informação, meteorologia, geografia, jornalismo, física, engenharia e de artes, que se dedicam diariamente à prestação de serviços, garantindo a qualidade e a credibilidade da marca Climatempo. 

Você sabia? 
Na década de 1990, Carlos Magno, um dos fundadores da empresa, também atuou como “homem do tempo”: apresentou o quadro no Jornal Nacional, no Bom Dia Brasil e no Jornal Hoje, na Rede Globo
O Grupo Climatempo tem seu próprio modelo matemático de previsão do tempo a partir do uso de um supercomputador aumentando a precisão dos seus serviços e realiza previsões para 15 dias em apenas uma hora. 
Em 2014, o aplicativo do Climatempo foi eleito o segundo mais importante para os moradores de São Paulo, atrás apenas do Google Maps. A pesquisa foi realizada pelo Ibope e constatou que 62% dos entrevistados consideravam o aplicativo o mais importante para o dia a dia na cidade. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Exame, Isto é Dinheiro, Veja e Época Negócios), jornais (Valor Econômico, Estadão, Folha e O Globo), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 14/2/2018

6.2.18

PONY


Ela já esteve nos pés de monstros sagrados do esporte como Pelé, Dan Marino, Muhammad Ali, Carlos Monzón, Guillermos Vilas e George Foreman. Outrora dominante no mundo dos esportes profissionais, a tradicional PONY se reinventou para transformar-se em uma marca de lifestyle, carregando em seus produtos seu DNA histórico e a cultura da cidade de Nova York. Uma marca de atitude, que se inspira no esporte e desenvolve modelos de tênis com design moderno, sem deixar o conforto de lado. 

A história 
Para falar sobre os primórdios da PONY é preciso voltar para a Nova York de 1969. A cidade era o epicentro dos esportes americanos, já que suas equipes profissionais, os Mets (beisebol), os Jets (futebol americano) e os Knicks (basquete) haviam conquistado títulos de suas respectivas ligas profissionais. E, claro, os atletas dessas equipes usavam tênis para competir. A indústria do vestuário esportivo, por sua vez, buscava a criação de modelos que pudessem se adaptar a diferentes disciplinas olímpicas, mesmo as mais populares. Nesse cenário, o uruguaio Roberto Muller, um engenheiro químico e têxtil formado pela Universidade de Leeds na Inglaterra, conseguiu identificar que calçados e roupas esportivas poderiam se tornar um elemento-chave do guarda-roupa, além das competições esportivas. Para concretizar a ideia, Muller falou com um grupo de investidores, entre os quais Horst Dassler, então chairman da alemã Adidas, e, em 1972, fundou a PONY, cujo primeiro escritório estava localizado em plena Madison Avenue em Nova York.


A ideia era criar tênis esportivos, mas acima de tudo, mergulhados no espírito efervescente de Nova York. Basta lembrar que o nome da marca decorre do acrônimo “A Product Of New York”. E mais, transformá-los em peças do uso diário nas ruas. Mas para isso ele precisaria dos esportes profissionais e dos atletas. E para isso lançou modelos de tênis com alta tecnologia para atletismo, basquete, futebol americano, beisebol e soccer. O sucesso foi tão rápido quanto incomum. Em alguns anos, a marca patrocinava grandes estrelas esportivas como Pelé, a tenista Tracy Austin e o boxeador Muhammad Ali, bem como uma longa lista de atletas profissionais das ligas de basquete, beisebol e futebol americano, como os jogadores O.J. Simpson e Dan Marino. E apareceu com destaque em grandes momentos da história do esporte mundial, como por exemplo, em 1976 quando Pelé marcou seu gol de número 1.245 e foi premiado com uma réplica dourada da chuteira PONY que ele usou durante a façanha; ainda em 1976 quando a marca participou pela primeira vez dos Jogos Olímpicos de Montreal e atletas vestindo equipamentos da marca conquistaram medalhas de ouro, prata e bronze no basquete, boxe e atletismo; em 1977 quando aproximadamente 50 jogadores da NBA utilizavam tênis da marca; em 1978 quando os calçados da marca foram vistos tanto em Larry Holmes quanto em Ken Norton na luta pelo título dos pesos pesados do boxe; em 1979 quando o jogador de basquete David Thompson juntou-se à equipe PONY e ganhou o prêmio MVP do All Star (jogo das estrelas da NBA); ou mesmo quando os jogadores de futebol Paolo Rossi e Sócrates utilizaram chuteiras da PONY nas Copas do Mundo da Argentina em 1978 e da Espanha em 1982. O sucesso da PONY rapidamente chegou a outros países, onde a marca firmou acordos de licenciamento e distribuição.


Em pouco mais de uma década, a PONY já gozava de presença e prestígio em mais de 100 países e conseguiu se estabelecer como uma marca global em termos de desempenho, imagem e posicionamento, algo que as marcas esportivas alemãs levaram décadas para alcançar. E pensar na PONY naquela época era lembrar as glórias esportivas de grandes atletas usando roupas e calçados da marca que foram além das competições. Os produtos da marca eram tão legais e descolados que os atletas rapidamente transferiram esse estilo para as ruas. Tênis, camisas e calças esportivas se transformaram em elementos de moda e estilo. Neste momento houve uma explosão nas vendas. Em 1983 a marca lançou no mercado um de seus maiores sucessos: o tênis de basquete Pro 80, introduzido em um momento em que o couro branco era um design comumente utilizado na indústria do calçado esportivo. Sua silhueta foi inspirada em um tênis de 1979, endossado pelo jogador de basquete David Thompson, e se tornou um sucesso em vendas, tanto dentro como fora das quadras. Apesar do enorme sucesso da marca, Muller deixou a empresa em 1986, alegando questões financeiras. Neste mesmo ano o jogador de basquete Spud Webb, que com apenas 1.70 metros, vestindo tênis PONY ganhou a famosa competição de enterradas anual da NBA, o Slam Dunk Contest, batendo o gigante Dominique Wilkins de 2.03 metros. Mais um feito que proporcionou uma enorme visibilidade para a marca. Nesta época o faturamento da marca ultrapassava os US$ 800 milhões.


Nos anos seguintes a PONY se inseriu cada vez mais no mundo da cultura e da arte, patrocinando 90% dos grupos de breakdance em Nova York, com seus calçados sendo escolhidos por alguns skatistas mais icônicos da época, e com grandes celebridades e artistas do rock e hip hop vestindo sua marca. Era definitivamente a infiltração do esporte no mundo da moda. Já no final da década de 1990, a PONY tinha perdido sua relevância no campo esportivo e as vendas despencavam. Depois de passar pelas mãos de vários proprietários a marca PONY foi relançada em 2001 e os sneakers foram clicados em pés de famosos, incluindo Justin Timberlake, Korn, Snoop Dogg e Paris Hilton. Era um novo posicionamento: uma marca de lifestyle, mas sem esquecer sua enorme herança esportiva. Em 2005, a marca lançou uma linha em colaboração com o rapper Snoop Dogg. No ano seguinte, a marca foi adquirida (exceto na América do Norte) pela Symphony Holdings, uma empresa pública com sede em Hong Kong. Os novos proprietários contrataram Jim Stroesser, que foi um parceiro-chave na reconstrução da Converse, para mais uma vez reconstruir a PONY. E isto culminou, em 2008, com a campanha publicitária “Back In the Game”. Afinal, a marca PONY sempre foi um clássico do segmento. Desde a sua incubação nas ruas de Nova York até a competitividade nos campos e quadras profissionais.


O relançamento da PONY no mercado mundial como uma marca com um ar de estilo de vida urbano, inspirada pela música, arte, cultura, referências ao Brooklyn, fusões de vanguarda e estilo único, foi um sucesso. Uma marca de tênis que representa a cultura do streetwear, que propõe moda e estilo de vida, perfeito para aqueles que procuram imprimir um toque único para o visual da cidade. Hoje em dia, a PONY, que nasceu nas ruas movimentadas de Nova York e nunca mais saiu da vida dos jovens apaixonados por movimento, se denomina uma marca “Sneakers for real peolple”.


A evolução visual 
O tradicional logotipo da marca, conhecido como “Pony Chevron” passou por algumas pequenas modificações ao longo de sua história. Originalmente com o nome da marca em vermelho e o símbolo em azul, a identidade visual ganhou ares mais modernos com nova tipografia de letra e aumento do tradicional Chevron. O logotipo pode ser aplicado na tradicional cor vermelha ou em azul e preto.


Os slogans 
Sneakers for real people. 
Back In the Game. (2008) 
The mark with the Chevron. (1981) 
Built to Win. 
When sports are more than just a game. (década de 1980)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1972 
● Fundador: Roberto Muller 
● Sede mundial: New York City, New York, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Pony International LLC 
● Capital aberto: Não 
● CEO: John Haugh 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 70 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 100 
● Segmento: Esportivo 
● Principais produtos: Tênis, sneakers e roupas 
● Concorrentes diretos: Le Coq Sportif, Gola, Vans, Fila, Puma, Adidas, Nike e Converse 
● Ícones: O Chevron de seu logotipo 
● Slogan: Sneakers for real people. 
● Website: ponybrasil.com.br/site/ 

A marca no mundo 
A PONY oferece uma completa linha de tênis casuais e sneakers, além de roupas, em mais de 70 países ao redor do mundo. Atualmente a marca PONY pertence ao Iconix Brand Group (América do Norte) e a Symphony Holdings (resto do mundo). 

Você sabia? 
Um dos modelos mais icônicos da PONY, o M-100, criado em 1988, representou um marco na prática do basquete mundial. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 6/2/2018

22.1.18

BFGoodrich


Com mais de um século de uma história pioneira, a americana BFGoodrich dedica-se a desenvolver pneus de alto desempenho para quem tem paixão pela condução em praticamente qualquer ambiente e terreno. Combinando conhecimentos técnicos com mais de 40 anos de experiência em automobilismo, a BFGoodrich oferece pneus para uma gama completa de experiências de condução, desde uma rua a um terreno fora de estrada, sempre com uma obsessão em comum: desempenho extremo e total controle. 

A história 
Tudo começou quando o médico-cirurgião e empresário visionário Benjamin Franklin Goodrich se envolveu na indústria da borracha em 1869, tornando-se o maior acionista da Hudson River Rubber Company, na cidade de Nova York. Enfrentando a dura concorrência de inúmeros outros produtores de borracha locais, ele decidiu mudar seus negócios para a cidade de Akron, estado de Ohio. Isto porque os residentes da cidade haviam angariado US$ 13.600 para incentivar Goodrich a mudar sua empresa de Nova York para Akron. Surgiu então, no dia 31 de dezembro de 1870, a Goodrich, Tew & Co. na cidade de Akron, durante décadas conhecida como a “Capital da Borracha do Mundo”. A primeira fábrica da empresa, situada ao lado do Canal de Ohio, fabricava mangueiras de incêndio, que não estourariam sob pressão. Em 1880, após encerrar a sociedade com seu cunhado Harvey W. Tew, o nome da empresa foi alterado para B.F.Goodrich Company. Nessa época, a empresa também fabricava mangueiras para jardim e pneus para bicicleta. Os pneus definitivamente tornaram-se parte da linha de produtos da empresa em 1896, quando a Winton Motor-Carriage Co., produtora de carruagens, pediu a BFGoodrich que produzisse quatro protótipos experimentais, fortes suficiente para lidar com altas velocidades e cargas mais pesadas. A empresa respondeu com os primeiros pneus para automóveis.


Em poucos anos, a empresa alcançou o sucesso e se tornou uma das marcas de pneus mais populares do país. A partir de então, a marca BFGoodrich identificou-se pelo seu caráter pioneiro, pela sua vontade de superar os limites da performance. Deste espírito de superação nasceu um amplo número de progressos importantes no segmento de pneus. Um exemplo disso ocorreu em 1903, quando o primeiro automóvel (um Ford Model A) atravessou os Estados Unidos de leste a oeste equipado com pneus BFGoodrich. O sucesso da marca não se restringiu somente a terra. Ainda em 1903, a empresa despertou para o promissor mercado da aeronáutica. A BFGoodrich equipou o avião da Curtiss Aeroplane Corporation, vencedor da primeira corrida aeronáutica internacional organizada em Reims, na França. Pouco depois, em 1910, inventou pneus de longa duração, através da adição de carbono à mistura da borracha. O sucesso da empresa em seu negócio de pneus levou a diversificação de produtos, como por exemplo, na época da Primeira Guerra Mundial, quando produzia borracha para bens de consumo como sapatos, botas, bolas de tênis e roupas impermeáveis, e para produtos industriais. Em 1927, pilotado por Charles Lindbergh, o “Espírito de Saint Louis” se tornou o primeiro aeroplano a voar direto (sem-parar) através do Atlântico, de Nova York até Paris, e estava equipado com pneus BFGoodrich. Em 1936, a empresa ingressou no mercado mexicano através de uma joint-venture, iniciando assim sua expansão internacional.


No ano seguinte, a empresa sintetizou borracha e inventou o primeiro pneu de borracha sintética, feita com uma substância patenteada, de nome “Chemigun”. Os experimentos da empresa com borracha sintética durante a Segunda Guerra Mundial ajudaram a revolucionar essa indústria. A BFGoodrich também ajudou a desenvolver os primeiros sistemas de degelo usados em aviões. Outras grandes inovações desenvolvidas e lançadas pela empresa ocorreram em 1945 com o primeiro pneu comercial feito inteiramente de borracha sintética; e em 1947 com o primeiro pneu sem câmara de ar, que revolucionou o segmento e facilitou a vida dos motoristas, ajudando a reduzir a aquaplanagem e proporcionando melhor tração na chuva. O gigantismo da BFGoodrich pode ser comprovado em 1955, quando a empresa fabricava produtos em cinco áreas diferentes, incluindo pneus, produtos químicos e plásticos, calçados e pavimentos, produtos industriais e produtos de borracha esponjosa. Em 1965, a BFGoodrich criou o primeiro pneu radial americano para automóveis, conhecido como Lifesaver. Essa inovação tornou os pneus ainda mais seguros, pois possuíam maior vida útil e permitiam uma melhor absorção de solavancos. Pouco depois, em 1967, a marca americana introduziu outra grande novidade do segmento: o primeiro pneu capaz de ser dirigido quando furado, hoje conhecido como pneu Run Flat. Esta foi mais uma forma de mostrar que a marca estava um passo à frente de suas concorrentes, sempre fornecendo o que havia de mais recente e de melhor no segmento de pneus.


Na década seguinte, em 1972, a empresa introduziu na América do Norte os pneus de carcaça radial enquanto outros fabricantes ainda continuavam a desenvolver pneus diagonais; e, em 1976, criou o primeiro pneu radial para veículos comerciais leves: o All-Terrain T/A®, que inventou a categoria todo-terreno, estabelecendo o padrão de desempenho on-road e off-road (dentro e fora da pista). Esse pneu, desenvolvido na região da Baja Califórnia no México, era perfeito para motoristas que gostavam de aventura e procuravam mais confiança ao andar por terrenos instáveis, já que proporcionava mais tração em todos os tipos de terreno, aderência e flancos mais robustos. Além disso, este tipo de pneu garantia 10% a mais de tração na lama e 19% na neve. A quarta geração desse pneu, batizada de All-Terrain T/A® KO2, foi lançada em 2015 e já vendeu mais de cinco milhões de unidades. Além disso, em 1977, a marca ganhou ainda mais notoriedade ao equipar com seus pneus o ônibus espacial Columbia.


Nos anos de 1980, a empresa cresceu e se tornou uma das maiores fabricantes de pneus e de produtos de borracha do mundo, ajudado em parte pela fusão no mês de agosto de 1986 com a Uniroyal, fundada em 1892, que adquiriu sua divisão de pneus. A nova empresa foi batizada de Uniroyal Goodrich Tire Company. O novo negócio durou pouco. Isto porque, a francesa Michelin adquiriu a empresa em 1990 por US$ 1.5 bilhões. A partir deste momento a BFGoodrich se tornou subsidiária da empresa francesa. Em 1999 a marca inventou e lançou o primeiro pneu com faixa de rodagem colorida: o Scorcher T/A. Em 2000, a marca BFGoodrich foi lançada em toda a Europa, com o objetivo de capturar a participação de mercado no rápido crescimento do segmento de veículos utilitários esportivos do continente. Nos anos seguintes a marca continuou inovando no segmento ao lançar o primeiro pneu de 24 polegadas para 4X4 (2002); o G-Force Profiler (2004), um pneu de alto rendimento com controle único para dirigir; e com o novo Profiler 2 (2005), que consolidava sua linha de pneus para carros de passageiros e oferecia a todos os motoristas a oportunidade de experimentar o melhor em performance e prazer em dirigir. Sempre investindo em pesquisa e no desenvolvimento de novas tecnologias, a BFGoodrich continua presente, ao longo dos mais de 100 anos de existência, entre as líderes do mercado automotivo.


A história e a competição automobilística estão intimamente ligadas a BFGoodrich, particularmente na América, onde a marca se tornou o primeiro fabricante de pneus a ganhar por duas vezes consecutivas (em 1914 e 1915) a corrida mítica das 500 milhas de Indianápolis, e depois na Europa no campeonato mundial de rali em 2006 (ao permitir que Sébastien Loeb ganhasse o título por cinco vezes consecutivas) ou nas pistas e nos desertos do mundo inteiro, particularmente ao ganhar oito vezes o Rali Dakar a partir de 2002. A marca continua a ser um ator determinante nas diversas corridas automobilísticas, particularmente na América do Norte, onde a qualidade de seus pneus se exprime através de uma variedade de superfícies, quer seja terra, areia, pedra ou mesmo asfalto.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações radicais ao longo dos anos. Até o final da década de 1970 utilizando logotipos onde predominavam a cor azul, a tradicional combinação de cores (vermelho e azul) passou a integrar uma nova identidade visual, onde também foram retirados os pontos das iniciais BF. Esse logotipo ganhou uma versão mais moderna e vibrante, adotada no final da década de 1990.


Os slogans 
BF Goodrich. Fun is not a straight line. (2000) 
Take Control. (1998) 
When You’re Ready To Get Serious. 
#1 in high performance radials. 
Everything in Rubber. 
First in Rubber.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 31 de dezembro de 1870 
● Fundador: Dr. Benjamin Flanklin Goodrich 
● Sede mundial: Greenville, South Carolina, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: BFGoodrich Tires, Inc. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Compagnie Generale des Etablissements Michelin
● Presidente: Scott Clark 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 35 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 15.000 
● Segmento: Pneumático 
● Principais produtos: Pneus para carros, picapes, vans, ônibus e caminhões 
● Concorrentes diretos: Pirelli, Goodyear, Firestone, Bridgestone, Continental, Dunlop, Yokohama, Kumho, Nexen e Toyo 
● Ícones: O pneu All-Terrain T/A® 
● Slogan: Take Control. 

A marca no mundo 
Atualmente a BFGoodrich, uma subsidiária integral da francesa Michelin, comercializa uma ampla linha de pneus para automóveis, picapes, SUVs, vans, ônibus e caminhões em mais de 35 países ao redor do mundo. 

Você sabia? 
As contribuições da BFGoodrich para a herança americana não se limitaram aos produtos de borracha. Em 1923, a empresa anexou um fecho de correr recém-criado em suas galochas de borracha e chamou-as de Zipper. Hoje em dia, as botas já não são mais vendidas, mas o termo “zíper” é uma palavra familiar em todo o país. 
Em 1926, um engenheiro da BFGoodrich desenvolveu um método para plastificar o cloreto de polivinilo (PVC), transformando este composto químico residual no material hoje reconhecido como vinil. A empresa comercializou seus produtos de PVC sob as marcas Geon e Koroseal, aplicando-os a usos tão variados como telhas, mangueiras de jardim e isolamento elétrico. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 22/1/2018

5.1.18

TRIVAGO


Quer seja um hotel cinco estrelas em Nova York, um luxuoso bangalô em alguma exótica ilha do Pacífico, um deslumbrante resort no Caribe ou uma aconchegante pousada no interior de São Paulo. Trivago oferece os melhores hotéis do mundo pelas melhores diárias através de um simples clique. Por isso, quando você deseja encontrar o hotel ideal pelo melhor preço, pense Trivago. 

A história 
A ideia para a criação do Trivago nasceu em 2004, na sequência de um encontro entre os empreendedores Stephan Stubner, Peter Vinnemeier e Rolf Schrïmgens na cidade de Munique. A primeira versão beta do site foi lançada oficialmente no mês de janeiro de 2005, focada, sobretudo, em construir conteúdos comunitários de viagens, especialmente avaliação e comparação de hotéis. Apesar de funcionar, inicialmente, a partir de um escritório temporário debaixo de uma modesta garagem, na cidade alemã de Düsseldorf, no final do ano o site já recebia 150 mil visitas por mês. Em 2007, o Trivago começou sua expansão internacional, lançando sites locais na Espanha, França e Reino Unido, iniciando a comparação de preços entre vários sites de reserva (em vez da tradicional reserva direta) que é hoje em dia preponderante na funcionalidade do site.


Neste momento um grupo de investidores decidiu colocar dinheiro na empresa para acelerar sua expansão e crescimento. Com isso, no ano seguinte, o Trivago lançou sites locais na Polônia e na Suécia. Em 2009, o Trivago tornou-se rentável e veiculou seu primeiro anúncio televisivo na Alemanha. Nesta época, a taxa de crescimento anual da empresa aproximava-se dos 400%. E nesse mesmo ano, a empresa lançou seus primeiros sites locais fora da Europa. Com isso, Trivago foi introduzido nos Estados Unidos, China, Japão, Brasil e México. Em 2010 quando mais de 100 sites de reserva já estavam incluídos na comparação de preços, metade dos alemães e dos espanhóis conhecia a marca Trivago (a Espanha viria a tornar-se o mercado mais importante para a empresa, no ano seguinte). Em 2012 o site gerava mais de 1 milhão de encaminhamentos por dia para sites de reserva e a marca Trivago era a mais reconhecida para pesquisa e reserva de hotéis online na Alemanha, Itália e Espanha. Em dezembro desse mesmo ano, a Expedia, maior grupo norte-americano de turismo online, divulgou oficialmente a aquisição de 61.6% do Trivago por €474 milhões. Apesar da aquisição, a gestão da empresa permaneceu totalmente independente e na tutela dos três fundadores iniciais. Em 2013, a expansão além da Europa estava cada vez mais consolidada com o lançamento de campanhas na Austrália, Coréia do Sul, Índia e Japão, ao mesmo tempo em que um em cada cinco norte-americanos afirmava conhecer ou já ter usado o Trivago. Mais recentemente, a empresa disponibilizou novas opções como teste para seus clientes, como por exemplo, o aluguel de casas por temporada, na Alemanha, Itália, Canadá, Reino Unido e Estados Unidos, cinco dos seus principais mercados, já com mais de 150 mil imóveis para aluguel por temporada.


Atualmente, com mais de 175 milhões de avaliações de hotéis agregadas e mais de 19 milhões de imagens, fica mais fácil encontrar informações sobre o local para onde se quer viajar. Para ter uma visão geral de um hotel, o Trivago exibe uma média das avaliações junto a diversas opiniões de outros sites de reservas. O Trivago ajuda a encontrar informações sobre sua viagem para Paris, Nova York, São Paulo, Tóquio e milhares de outros destinos, incluindo o hotel ideal para você. O Trivago permite encontrar facilmente o hotel ideal pelo melhor preço. Basta informar para onde quer ir e as datas desejadas para viajar, e deixe que o mecanismo de busca compare preços de acomodações. Para refinar os resultados da busca, filtre por preço, distância (da praia, por exemplo), categoria por estrelas, instalações e muito mais (como pesquisar hotéis próximos de um ponto de interesse, como o centro da cidade ou um endereço específico). De hostels econômicos, passando por resorts a suítes de luxo, o Trivago facilita a reserva online. Em todos os continentes, o Trivago possui maestria no atendimento, sempre pensando no melhor para o bolso de seus clientes.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. O logotipo original foi substituído por uma versão mais moderna em 2007, quando a atual combinação de cores foi adotada. Em 2013 a marca apresentou seu logotipo atual com atualização nos tons das cores e uma nova tipografia de letra.


Os slogans 
Hotel? Trivago! (2012) 
Trips Vacations Go. (2008) 
The world’s largest hotel search.


Dados corporativos 
● Origem: Alemanha 
● Fundação: Janeiro de 2005 
● Fundador: Peter Vinnemeier, Malte Siewert e Rolf Schrömgens 
● Sede mundial: Düsseldorf, Alemanha 
● Proprietário da marca: Trivago N.V. 
● Capital aberto: Sim (2016) 
● CEO: Rolf Schrömgens 
● Faturamento: €754.2 milhões (2016) 
● Lucro: - €51.4 milhões (2016) 
● Valor de mercado: US$ 2.65 bilhões (janeiro/2018) 
● Presença global: 55 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 1.200 
● Segmento: Turismo 
● Principais produtos: Buscador e comparador de preços de hotéis 
● Concorrentes diretos: TripAdvisor, Decolar, Booking, Hotelscompare, DetectaHotel, Kayak, Priceline e airbnb 
● Slogan: Hotel? Trivago! 
● Website: www.trivago.com.br 

A marca no mundo 
Com apenas alguns cliques, o Trivago permite aos usuários comparar preços de hotéis a partir de mais de 400 sites de reserva com mais de 1.8 milhões de estabelecimentos em mais de 190 países. Além disso, o Trivago tem 55 websites locais em 33 idiomas. Todos os anos, o site recebe aproximadamente 1.4 bilhões de visitas de viajantes que utilizam regularmente o recurso de comparação de hotéis para verificar as ofertas disponíveis em uma mesma cidade. O Trivago não usa de publicidade ou patrocínios, gerando receitas unicamente através dos encaminhamentos dos utilizadores para os sites de reserva. 

Você sabia? 
Não oficialmente (afinal, nunca foi confirmado pela empresa), o nome Trivago é uma abreviatura da expressão trip vacation go
O Trivago Hotel Price Index (tHPI) é um estudo mensal que analisa a variação do preço médio por quarto duplo nos hotéis das principais cidades mundiais. Os valores fornecidos por mais de 200 sites de reserva e redes de hotéis criam o preço médio de hotel para cidades, regiões e países. 
E para onde os brasileiros vão? O Trivago diz que a gaúcha Gramado e a paulista Campos do Jordão são os destinos nacionais mais buscados em julho. Já nas férias de fim de ano, Gramado divide o posto de preferido com o Rio de Janeiro. Para o exterior, os cinco destinos mais procurados são Buenos Aires, Santiago, Nova York, Paris e Orlando. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Exame e Isto é Dinheiro), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 5/1/2018

13.12.17

GUITAR CENTER


Para músicos, tanto profissionais como amadores, a rede varejista americana GUITAR CENTER é um verdadeiro templo sagrado do consumo. Guitarras, baterias, violões e uma infinidade de equipamentos e acessórios musicais de grandes e renomadas marcas mundiais, tornaram a rede americana o destino preferido para quem ama música. Afinal, a missão da GUITAR CENTER é “Ajudar as Pessoas a Fazer Música”

A história 
As origens da GUITAR CENTER datam do ano de 1959 quando Wayne Mitchell comprou uma pequena loja que vendia e consertava órgãos eletrônicos para uso doméstico ou em igreja localizada em Hollywood, no estado da Califórnia. Pouco depois, em 1961, ele batizou a loja de The Organ Center. A história da empresa começaria a ganhar novos rumos em 1964 quando Joe Banaran, então presidente da Thomas Organ Company, se aproximou de Wayne em busca de uma saída para vender uma nova linha de guitarras e amplificadores, chamada Vox. Com a enorme popularidade dos Beatles, que estavam usando equipamentos Vox, tornou-se evidente que o futuro do varejo de instrumentos musicais estava na venda de guitarras e amplificadores, e não em órgãos. Wayne viu o momento certo para aproveitar esta promissora nova oportunidade de varejo e passou a vender guitarras e amplificadores, mudando o nome da loja para The Vox Center. Em 1971, a loja foi finalmente renomeada para GUITAR CENTER e mudou-se para um imóvel maior, na famosa Sunset Boulevard em Los Angeles. No ano seguinte, uma segunda loja foi inaugurada na cidade de San Francisco, seguida da terceira unidade em San Diego no ano de 1973. No restante da década a GUITAR CENTER continuou sua expansão geográfica pela Califórnia, além de ampliar a oferta de produtos, que incluía baterias e outros instrumentos musicais.


Depois de estabelecer uma forte presença no varejo da Califórnia, na década de 1980 a GUITAR CENTER começou a se expandir a nível nacional com a inauguração de novas lojas nas principais cidades americanas, como por exemplo, Minneapolis, Dallas, Houston e Chicago. Estas novas unidades, com seus tetos altos e espaço aberto para suportar a comercialização maciça de instrumentos, anunciaram o início do formato “superstore” para o seguimento. Outro fato que aumentou a popularidade da rede aconteceu em 1980, com a compra da fabricante de guitarra Kramer, que tinha como seu principal garoto-propaganda Eddie Van Halen. Em 1984, o fundador empresa, Wayne Mitchell, faleceu, deixando para trás uma equipe de gestão qualificada para dar continuidade a sua visão da enorme potência do varejo de instrumentos musicais. Em 1985, a rede já era composta por 12 unidades. Durante os anos de 1990, a GUITAR CENTER vivenciou um período monumental de crescimento, inaugurando aproximadamente 70 lojas ao longo da década, ganhando assim o apelido de “O maior varejista de instrumentos musicais do mundo”. Durante este período de crescimento acelerado, as grandes inaugurações ocorreram a uma taxa de uma ou duas lojas por mês, superando todos os outros varejistas de instrumentos musicais.


A partir de 1996, o comando de dois talentosos executivos garantiu o impulso necessário para a empresa continuar crescendo, culminando com a abertura de capital da GUITAR CENTER na Bolsa de Valores em 1997. Ainda este ano, a marca lançou seu próprio cartão de crédito - que se tornaria o Gear Card. Pouco depois, em 1999, a empresa adquiriu o Musician’s Friend, um dos principais comerciantes diretos de instrumentos musicais, iniciando assim a construção de uma forte presença online da marca. Em 2001 a empresa criou o Guitar Center Professional (conhecido como GC Pro) para atender as necessidades dos profissionais de gravação e estúdios. Com uma seleção abrangente de equipamentos de alta qualidade, serviço individualizado e consulta especializada, a GC Pro levou o serviço de atendimento da empresa a novos níveis. Nesta década, a empresa acelerou a aquisição de concorrentes, como por exemplo, o American Music Group (2001), a Music & Arts (2005), a Woodwind & Brasswind (2007) e a Music 123 (2007), adicionando 62 novas lojas a sua rede, juntamente com vários sites de varejo que atendiam a uma clientela de músicos completamente nova.


Nos anos seguintes, a empresa começou a se concentrar no desenvolvimento de programação de marketing de conteúdo que inspirava as pessoas a tocar música. Em 2014, a Ares Capital Management tornou-se acionista majoritária da GUITAR CENTER. Ainda neste ano a marca inaugurou uma enorme loja em plena Times Square, em Manhattan. Além disso, a empresa ampliou os serviços oferecidos em suas lojas para incluir aulas e pequenos cursos, aluguéis e reparo de instrumentos. Com objetivos sólidos e uma experiência inigualável oferecida por suas lojas, a missão da GUITAR CENTER é permitir aos músicos em todo o mundo experimentar a alegria que vem de tocar um instrumento.


Amor pela música 
Muito mais que um varejista de instrumentos e equipamentos musicais, a GUITAR CENTER tem em seu DNA o amor pela música. E transformou isso em uma ótima ferramenta de marketing. Como por exemplo, em 1985, quando inaugurou em sua famosa loja da Sunset Boulevard a Guitar Center RockWalk (imagem abaixo), uma espécie de calçada da fama que honra grandes nomes e bandas que deram contribuições significativas para a indústria da música. Eles são convidados a colocar as impressões das mãos em blocos de cimento. Os primeiros indicados foram Stevie Wonder, Eddie Van Halen, Jim Marshall, C.F. Martin e Remo Belli, que deixaram suas mãos gravadas na calçada. Nos anos seguintes, monstros sagrados da música como AC/DC, Aerosmith, Marvin Gaye, James Brown, Eric Clapton, Chuck Berry, James Brown, The Doobie Brothers, BB King, Jerry Lee Lewis, Little Richard, Alice Cooper, Jimmy Page, Johnny Cash, e tantos outros, passaram a fazer parte da RockWalk. Adicionalmente, dentro da loja, estão expostos em diversas galerias vários instrumentos de grandes personalidades da história da música, como Elvis Presley, Johnny Cash, Jeff Beck, Kurt Cobain, dentre vários outros. Além disso, em 1988 a marca criou o Guitar Center Drum-Off, uma competição para revelar jovens e talentosos bateristas. A tradicional competição já teve 28 edições.


Os slogans 
Find your sound. 
All we sell is the greatest feeling on earth. (2014) 
We help people make music. 
The Musician’s choice.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1959 
● Fundador: Wayne Mitchell 
● Sede mundial: Westlake Village, Califórnia, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Guitar Center Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Ron Japinga 
● Faturamento: US$ 2.14 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 269 
● Presença global: Não (presente somente nos Estados Unidos) 
● Funcionários: 10.000 
● Segmento: Varejo 
● Principais produtos: Guitarras, violões, baixos, baterias, equipamentos e acessórios musicais 
● Concorrentes diretos: Sam Ash Music, Sweetwater, American Musical Supply e Best Buy 
● Ícones: A RockWalk da loja de Los Angeles 
● Slogan: Find your sound. 
● Website: www.guitarcenter.com 

A marca nos Estados Unidos 
Atualmente a GUITAR CENTER, maior varejista do mundo especializada em instrumentos e equipamentos musicais, possui mais de 260 lojas espalhadas por 32 estados americanos. Com faturamento anual estimado superior a US$ 2 bilhões, a rede tem mais lojas nos estados da Califórnia, Flórida, Illinois e Nova York. Além de instrumentos musicais de todos os estilos, a rede também oferece uma enorme variedade de equipamentos de áudio, gravação, efeito, iluminação e DJ. 

Você sabia? 
A varejista americana ainda é proprietária da Music & Arts, rede que opera mais de 150 lojas especializadas na venda e aluguel de instrumentos para bandas e orquestras, atendendo professores, diretores de banda, professores universitários e estudantes desde 1952. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 13/12/2017

4.12.17

ACURA


Automóveis de luxo baseados no design, na inovação e no máximo desempenho. Assim pode ser definida a marca japonesa ACURA, que por mais de três décadas tem como obsessão elevar a experiência de dirigir a um patamar excepcional, sempre prezando pela segurança e performance. 

A história 
Da mesma forma que as montadoras americanas ofereciam, havia décadas, versões mais luxuosas do mesmo projeto de automóvel, a indústria automobilística japonesa enxergou nessa diversificação uma boa estratégia para o enorme e voraz mercado americano na década de 1980. Com isso, a montadora Honda, fundada em 1948 por Soichiro Honda, criou a ACURA (pronuncia-se É-kiu-ra), como uma resposta à criação da Lexus (pela Toyota em 1983) e da Infiniti (pela Nissan em 1985), para o desenvolvimento de automóveis de luxo direcionados originalmente ao mercado americano. Em menos de um ano, após longas pesquisas de mercado, os dedicados engenheiros japoneses da Honda definiram como seriam os primeiros automóveis da marca ACURA. Mesmo tendo sido a última das três marcas japonesas a ser criada a ACURA foi a primeira a apresentar automóveis ao mercado americano e canadense no dia 27 de março de 1986, através da inauguração de 60 concessionárias em 18 estados. A nova marca disponibilizou ao público dois modelos: o sedã de luxo LEGEND e o compacto INTEGRA. O Legend era oferecido inicialmente na versão sedã (4.8m de comprimento), disponibilizando o modelo cupê (4.7m) no ano seguinte. Baseado no Honda Civic, em termos de mecânica e plataforma, o Integra foi oferecido com motores 1.5L e 1.6L, nas versões sedã (cinco portas) e hatchback (três portas).


Um ano depois do lançamento, a ACURA já tinha o modelo de luxo importado mais vendido dos Estados Unidos. Foram comercializadas 109 mil unidades do Legend e 55 mil do Integra. Com apenas quatro anos de mercado, em 1990, a ACURA apresentou ao público um verdadeiro ícone no segmento de automóveis superesportivos: o NSX, primeiro automóvel do mundo a ser produzido em monobloco de alumínio, o que proporcionou uma redução de 40% em relação ao peso de um similar em aço. Feito para duas pessoas, e inspirado no caça F-16, privilegiava a visibilidade e tinha linhas agressivas, faróis escamoteáveis, além de grandes tomadas de ar laterais. Já o motor era um três litros de aspiração natural, sem turbo ou compressor e produzia 273 cv. Com esse motor, o NSX chegava aos 270 km/h e tinha uma aceleração de zero a 100 km/h em 5.6 segundos, e – era a resposta da para os superesportivos italianos e alemães da época. Os números eram equivalentes aos do Porsche 911 e da Ferrari 348. O NSX só receberia maiores atualizações estéticas em 2002: perderia seus faróis escamoteáveis e ganharia rodas de 17 polegadas nos dois eixos. As características mecânicas e de desempenho permaneceriam as mesmas, exceto na versão NSX-R, que abria mão de certos itens de conveniência, como o ar-condicionado, para reduzir o peso.


A segunda geração do Integra foi lançada também em 1990 e introduziu importantes avanços para a categoria, como freios ABS e duplo air-bag, bem como o comando variável de admissão VTEC, proporcionando melhor performance sem aumento do consumo de combustível. Em 1991 a marca lançou seus veículos em Hong Kong, iniciando assim uma tímida expansão internacional. E no ano seguinte ampliou sua oferta para o mercado americano com o modelo VIGOR, baseado no Honda Accord, porém com mais equipamentos de série. Pouco depois, em 1995, a ACURA ingressou em um novo segmento ao lançar seu primeiro veículo utilitário, o SLX, de porte médio e baseado no Suzuki Tropper, que oferecia motores a diesel e gasolina. A primeira geração do ACURA RL, lançada em 1996, era uma versão rebatizada da terceira geração do Legend.


Embora as vendas tenham diminuído a partir de meados dos anos de 1990, a marca experimentou um ressurgimento no início da década de 2000, principalmente devido a mudanças drásticas no design e a apresentações de novos modelos. Primeiro, em 2000, a ACURA ingressou em uma nova categoria de mercado com o lançamento da MDX, primeiro utilitário esportivo de grande porte da marca. A ampliação da linha de modelos ainda incluiu o TSX (2004), um sedã médio. Após se firmar no mercado americano e canadense, a ACURA partiu para novos horizontes, e estabeleceu-se no México em 2004, na China em 2006 e no Japão em 2008. Neste período a ACURA ampliou sua gama de veículos com o lançamento do RDX (2006), um utilitário esportivo compacto. A partir de 2009 a ACURA iniciou o lançamento de novos modelos como o ZDX (2009), um crossover de porte médio; o TSX Sport Wagon (2010), primeira perua da marca japonesa; o ILX (2012), um sedã compacto; o RLX (2013), um sedã de grande porte e o mais luxuoso da linha; e o TLX (2014), um sedã de médio porte. Nos últimos anos a ACURA ingressou em novos mercados como a Rússia em 2014 (saiu dois anos depois devido às fracas vendas) e Kuwait (2015).


Depois de um hiato de mais de 10 anos sem ser produzido, em 2016 a ACURA apresentou a nova geração do NSX, um dos mais lendários esportivos da Terra do Sol Nascente. A nova geração tem um motor V6 biturbo de 3.5 litros montado à mão, em um processo que leva mais de seis horas, além de tração integral. A parte aerodinâmica faz com que o novo NSX seja totalmente diferente do seu precursor: ele é mais sutil, aparenta ser mais compacto, mas ainda assim demonstra ter personalidade. O desenho do carro foi pensado para complementar a performance e também contribuir para a dinâmica térmica do veículo – tudo sem perder o estilo. O modelo é fabricado no estado de Ohio, sendo o carro mais caro já fabricado nos Estados Unidos, desbancando o Dodge Viper. No mercado americano, a versão de entrada custa US$ 156 mil, enquanto o top de linha chega a US$ 220 mil.


Em 2016 a ACURA celebrou os 10 anos de sua chegada à China e para comemorar a ocasião, decidiu apostar ainda mais forte no gigante asiático. Uma das principais apostas é o CDX, o primeiro veículo da marca fabricado localmente e desenvolvido principalmente pensando nos gostos dos consumidores chineses. O veículo apresenta um tamanho muito similar ao do Honda HR-V (utilitário compacto) embora seja um pouco mais comprido e largo e seu enfoque seja claramente premium, como toda a linha da ACURA. Em relação ao design chama a atenção a grade pentagonal e um logotipo de grandes dimensões, assim como o design dos faróis dianteiros e lanternas traseiras com tecnologia LED.


A inovação 
A ACURA sempre foi inovadora no segmento de veículos luxuosos, sendo pioneira em várias novidades. Foi pioneira ao incorporar motores multi-válvulas no ano de 1986. Também foi a primeira no mundo a oferecer navegação no painel. Em seguida, também apresentando tráfego em tempo real no painel. Depois de estrear no modelo RL de 1997, o navegador de tela central no painel tornou-se padrão em todos os modelos da marca. Já o MDX foi o primeiro veículo de sete passageiros com três fileiras de banco. Já a indústria automobilística teve que se familiarizar com o termo “vetor de torque” para descrever o que fazia o Super Handling All-Wheel Drive (SH-AWD), que apareceu pela primeira vez no modelo RL em 2004, e tornou-se uma assinatura da ACURA para toda sua linha. O SH-AWD é um sistema de tração integral que opera com repartição de torque desigual entre as rodas do mesmo eixo, a fim de melhorar o comportamento em curvas.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou apenas por uma grande remodelação ao longo de sua história. Originalmente na cor vermelha, somente em 1990, a nova identidade visual adotou a cor preta e ganhou um símbolo. Embora pareça uma letra A de ACURA, o principal símbolo da marca, na verdade, é um compasso de espessura, escolhido por representar a precisão extrema. Já a cor branca, utilizada quando o logotipo é aplicado em um fundo preto, denota integridade, pureza e perfeição. A identidade visual da marca pode ser aplicada de duas maneiras: na horizontal com o símbolo à esquerda ou com o símbolo acima do nome da marca.


Os slogans 
Precision Crafted Performance. (2016) 
Made for mankind. (2013) 
Advance. (2006) 
The road will never be the same. 
The True Definition of Luxury. Yours. (1988) 
Precision Crafted Automobiles. (1986)


Dados corporativos 
● Origem: Japão 
● Fundação: 27 de março de 1986 
● Fundador: Soichiro Honda 
● Sede mundial: Tóquio, Japão 
● Proprietário da marca: Acura Inc. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Honda Motor Co., Ltd.) 
● CEO: Jon Ikeda 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Vendas globais: 195.700 unidades (2016) 
● Presença global: 10 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Funcionários: 6.000 
● Segmento: Automobilístico 
● Principais produtos: Automóveis e utilitários de luxo 
● Concorrentes diretos: Lexus, Infiniti, Cadillac, BMW, Audi, Mercedes-Benz, Volvo, Subaru e Lincoln 
● Slogan: Precision Crafted Performance. 
● Website: www.acura.com 

A marca no mundo 
Atualmente a marca ACURA vende seus luxuosos automóveis e utilitários esportivos em 10 países ao redor do mundo, incluindo Estados Unidos, Canadá, China e México. Em 2016 a marca vendeu globalmente mais de 195 mil veículos, com os Estados Unidos representando 82% deste montante. Somente nos Estados Unidos a ACURA tem aproximadamente 50 concessionárias distribuídas por 37 estados. 


Você sabia? 
Poucos sabem, mas o piloto brasileiro Ayrton Senna contribuiu para o desenvolvimento do projeto base do protótipo NSX em sua fase de teste. Isso se deu durante a parceria feita entre a montadora Honda que se mantinha como fornecedora de motores para equipe McLaren. 
No Brasil, alguns de seus automóveis foram importados de forma independente nos anos de 1990, após o Governo Federal abrir as importações no país. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), jornais (Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 


Última atualização em 4/12/2017